30.3.12

Divulgada a lista dos pré-indicados ao Troféu HQMix


Foi divulgada ontem pela comissão organizadora do Troféu HQMix a lista dos pré-indicados de 2012 da principal premiação da área de quadrinhos no Brasil.

Neste ano a atribuição dos concorrentes ficou a cargo de um juri formado por cinco especialistas na área de quadrinhos e humor gráfico, ao contrário do que ocorria nas edições anteriores, quando a própria comissão da premiação definia os candidatos aos prêmios.

Marcelo Alencar (editor e presidente do júri), Heitor Pitombo (jornalista), Télio Navega (jornalista), Sam Hart (desenhista de quadrinhos) e Zé Oliboni (crítico e pesquisador) fizeram suas indicações. Os resultados foram cruzados para que se chegasse aos indicados à lista deste ano para votação pela academia.

Conforme informado no blog da premiação, a partir de agora o resultado entra num processo de discussão aberta ao público. Após uma semana, os jurados decidem se haverá alterações na pré-indicação com base nos debates online. Ou seja, a opinião do público é muito importante e pode surtir em alterações que irão definir a lista final dos indicados.

Eis a pré-lista com os indicados nas 29 categorias:

ADAPTAÇÃO PARA OS QUADRINHOS
  • Clara dos Anjos (Companhia das Letras)
  • Conto de Escola em Quadrinhos (Peirópolis)
  • Dom Casmurro (Nemo)
  • Fahrenheit 451 (Globo)
  • Fernando Pessoa e Outros Pessoas (Saraiva)
  • Pateta Faz História (Abril)
  • Vigor Mortis Comics (Zarabatana)

CHARGISTA
  • Angeli (Folha de S. Paulo)
  • Benett (Folha de S. Paulo)
  • Dálcio Machado (Correio Popular)
  • Duke (O Tempo)
  • Gustavo Duarte (Lance)
  • Leo Martins
  • Loredano

DESENHISTA NACIONAL
  • Aloísio de Castro (Carcará)
  • Danilo Beyruth (Necronauta 2)
  • Gustavo Duarte (Birds)
  • Lourenço Mutarelli (Quando Meu Pai se Encontrou com o ET Fazia um Dia Quente)
  • Marcelo Lelis (Saino a Percurá Ôtra Vez)
  • Rafael Albuquerque (Tune 8 / Vampiro Americano)
  • Rafael Coutinho (O Beijo Adolescente)

DESENHISTA ESTRANGEIRO
  • Cyril Pedrosa (Três Sombras)
  • Dave McKean (Sinal e Ruído)
  • David Mazzucchelli (Asterios Polyp)
  • Jacques Tardi (Era a Guerra das Trincheiras)
  • Milo Manara (Bórgia - Tudo é Vaidade)
  • Oliver Copiel (Thor)
  • Shaun Tan (A Chegada)

DESTAQUE INTERNACIONAL
  • Fábio Moon e Gabriel Bá
  • Greg Tocchini
  • Ivan Reis
  • Marcelo Lelis
  • Mike Deodato
  • Rafael Albuquerque
  • Ricardo Manhães

EDIÇÃO ESPECIAL NACIONAL
  • Daytripper (Panini)
  • Garra Cinzenta (Conrad)
  • Histórias do Clube da Esquina (Devir)
  • Morro de Favela (Leya Brasil/Barba Negra)
  • Oeste Vermelho (Devir/Quanta)
  • Vigor Mortis Comics (Zarabatana)
  • War - Histórias de Guerra (Opera Graphica)

EDIÇÃO ESPECIAL ESTRANGEIRA
  • 12 de Setembro - A América depois (Record)
  • A Chegada (SM)
  • Asterios Polyp (Companhia das Letras)
  • Era a Guerra das Trincheiras (Nemo)
  • Quando Eu Cresci (Ática)
  • Quando Lá Tinha o Muro (Tinta Negra)
  • Três Sombras (Companhia das Letras)

EDITORA
  • Companhia das Letras
  • Conrad
  • Devir
  • Leya/Barba Negra
  • Nemo
  • Panini
  • Zarabatana

LIVRO TEÓRICO
  • A História em Quadrinhos no Brasil, de W. Vergueiro e R. E. Santos
  • Ângelo Agostini, de Gilberto Maringoni - Devir
  • Enciclopédia dos Quadrinhos, de Goida e André Kleinert - L&PM
  • Faces do Humor, de Paulo Ramos - Zarabatana
  • Histórias em Quadrinhos & Educação - Formação e Prática Docente, de Elydio dos Santos Neto e Marta Regina Paulo da Silva (orgs.) - Metodista
  • Linguagem HQ, de Nobu Chinen - Criativo
  • Super-Heróis, Cultura e Sociedade, de Nildo Viana e Iuri Andréas Reblin (orgs.) - Ideias & Letras

NOVO TALENTO - DESENHISTA
  • Daniel Og (YuriQuarta-Feira de Cinzas)
  • Luís Felipe Garrocho (Achados e Perdidos)
  • João Carlos Vieira (Zine Extremis)
  • Lu Cafaggi (Mix Tape)
  • Magno Costa e Marcelo Costa (Oeste Vermelho / Matinê)
  • Rael Lyra (MSP Novos 50)
  • Shiko (MSP Novos 50)

NOVO TALENTO - ROTEIRISTA
  • Carlos Ferreira (Kardec)
  • Eduardo Damasceno (Achados e Perdidos)
  • Hector Lima (MSP Novos 50)
  • Lillo Parra (Sonhos de Uma Noite de Verão)
  • Magno Costa (Oeste Vermelho)
  • Marcelo d'Sallete (Encruzilhadas)
  • Vitor Cafaggi (Duo.Tone / Valente para Sempre)

PRODUÇÃO PARA OUTRAS LINGUAGENS
  • Angeli 24h (documentário)
  • As Aventuras de Tintim (filme)
  • Batman: Ano Um (longa de animação)
  • Batman: Arkham City (vídeo-game)
  • Capitão América: O Primeiro Vingador (filme)
  • Walking Dead (série televisiva)
  • X-Men: Primeira Classe (filme)

PROJETO EDITORIAL
  • 1000-1 (Barba Negra)
  • Achados e Perdidos (independente)
  • Coleção Fierro Brasil (Zarabatana)
  • Coleção Ópera em Quadrinhos (Ática/Scipione)
  • Cripta (Mythos)
  • Tex Gigante (Mythos)
  • Vá para o Diabo (A Bolha)

PUBLICAÇÃO DE AVENTURA / TERROR / FICÇÃO
  • Cripta (Mythos)
  • Fábulas (Panini)
  • Fierro Brasil (Zarabatana)
  • Garra Cinzenta (Conrad)
  • J. Kendall: Aventuras de uma Criminóloga (Mythos)
  • Os Mortos-Vivos (HQ Maniacs)
  • Y - O Último Homem (Panini)

PUBLICAÇÃO DE CLÁSSICO
  • Agente Secreto X-9 (Devir)
  • Arzach (Nemo)
  • Cripta (Mythos)
  • Fantasma - A Saga do Casamento (Kalaco)
  • Garra Cinzenta (Conrad)
  • Gen - Pés Descalços (Conrad)
  • Superman vs. Muhammad Ali (Panini)

PUBLICAÇÃO DE CHARGES
  • Antes Charge do que Nunca (Atorres)
  • Caminhos do Santiago (Santiago)
  • Só Futebol (Duke)
  • Catálogo do 3º Festival Internacional de Humor do Rio do Janeiro (vários)

PUBLICAÇÃO DE CARTUNS
  • Arvres (Orlando Pedroso)
  • Caricaturas de Letra (Biratan)
  • Humor do Miserê (Nani)
  • Ostras ao Vento (Vasqs)
  • Ultralafa (Daniel Laffayete)
  • Uma Patada com Carinho (Chiquinha)

PUBLICAÇÃO DE TIRA
  • Agente Secreto X-9 (Devir)
  • Geraldão: Espocando a Cilibina (Almedina)
  • Iscola... O Crime (independente)
  • Macanudo # 4 (Zarabatana)
  • Ordinário (Companhia das Letras)
  • Rei Emir Saad - O Monstro de Zazanov (Barba Negra)
  • Valente para Sempre (independente)

PUBLICAÇÃO ERÓTICA
  • Black Kiss (Devir)
  • Bórgia - Tudo é Vaidade (Conrad)
  • Futari H (JBC)
  • Golden Shower 2 (independente)
  • Hentai Gold (Geek)
  • O Perfume do Invisível - Edição Completa (Conrad)
  • Velta & Mirza (Júpiter II)

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE DE AUTOR
  • Achados e Perdidos (Eduardo Damasceno, Luís Felipe Garrocho e Bruno Ito)
  • Birds (Gustavo Duarte)
  • Duo.Tone (Vitor Cafaggi)
  • O Beijo Adolescente (Rafael Coutinho)
  • O Louco, a Caixa e o Homem (Daniel Esteves e Will)
  • SOS (Felipe Nunes)
  • Tune 8 (Rafael Albuquerque)

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE DE GRUPO
  • 1000-1
  • Achados e Perdidos
  • Almanaque Gótico
  • Café Espacial
  • Golden Shower 2
  • Graffiti 76%
  • Zine Extreme

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE EDIÇÃO ÚNICA
  • Achados e Perdidos (vários)
  • Birds (Gustavo Duarte)
  • Duo-Tone (Vitor Cafaggi)
  • Mix Tape (Lu Cafaggi)
  • O Beijo Adolescente (Rafael Coutinho)
  • O Louco, a Caixa e o Homem (Daniel Esteves e Will)
  • Tune 8 (Rafel Albuquerque)

PUBLICAÇÃO INFANTO-JUVENIL
  • Achados e Perdidos (independente)
  • Bakuman (JBC)
  • Epic Mickey (Abril)
  • Joca e a Caixa (Companhia das Letras)
  • Mônica 500 (Panini)
  • Pateta Faz História (Abril)
  • Pequeno Pirata (Leya/Barba Negra)

PUBLICAÇÃO MIX
  • 1000-1 (Cachalote/Barba Negra)
  • DC Made In Brazil (Panini)
  • Fierro Brasil (Zarabatana)
  • Golden Shower 2 (independente)
  • Mad (Panini)
  • MSP Novos 50 (Panini) 
  • Vertigo (Panini)

ROTEIRISTA NACIONAL
  • André Diniz (Morro de Favela)
  • André Valente (Não Fui Eu
  • Carlos Ferreira (Kardec)
  • Daniel Esteves (O Louco, a Caixa e o Homem / Nanquim Descartável Vol. 4
  • Lourenço Mutarelli ( Quando Meu Pai se Encontrou com o ET Fazia um Dia Quente)
  • Marcelo Cassaro (Dbride: A Noiva do Dragão)
  • Vitor Cafaggi (Duo.Tone / Valente para Sempre)

ROTEIRISTA ESTRANGEIRO
  • Alejandro Jodorowsky (Bórgia - Tudo é Vaidade)
  • Brian Azzarello (100 Balas)
  • David Mazzucchelli (Asterios Polyp)
  • Giancarlo Berardi (Julia Kendall / Ken Parker)
  • Pierre Paquet (Quando Eu Cresci)
  • Robert Kirkman (The Walking Dead)
  • Shaun Tan (A Chegada)

TIRA NACIONAL
  • A Cabeça é a Ilha (André Dahmer)
  • Bifaland (Allan Sieber)
  • Malvados (André Dahmer)
  • Manual do Minotauro (Laerte)
  • Níquel Náusea (Fernando Gonsales)
  • Piratas do Tietê (Laerte)
  • Quase Nada (Fábio Moon e Gabriel Bá)

WEB QUADRINHOS
  • A Vida com Logan (Flavio F. Soares)
  • Clube da Esquina (Laudo Ferreira e Omar Viñole)
  • Ig Jovem (vários)
  • Ledd (J.M. Trevisan e Lobo Borges)
  • Mundinho Animal (Arnaldo Branco)
  • Sopa de Salsicha (Eduardo Medeiros)
  • Tune 8 (Rafael Albuquerque)

27.3.12

Mostra com filmes e animações sobre quadrinhos



Desde o dia 16 de março o Itaú Cultural está realizando a 12ª edição do programa Ocupação. Desta vez o tema central é o cartunista Angeli. A mostra ficará em cartaz até 29 de abril e apresenta 880 obras assinadas pelo artista, sendo 80 originais, e cerca de 20 fotos de arquivo pessoal, incluindo retratos de infância e adolescência.

Entre as curiosidades da Ocupação Angeli, destaque para a exibição de dois sets restaurados das filmagens de Dossiê Rê Bordosa, curta dirigido por Cesar Cabral com bonecos animados. Um vídeo especialmente produzido para a exposição traz uma entrevista na qual o artista conta fatos marcantes de sua trajetória entre 1970 e 2000, relacionados à música, expressão fundamental em sua obra. Quem assina esse trabalho é o produtor musical, sonoplasta e artista gráfico Pedro Angeli, seu filho.

Ocupação Angeli
Sexta, 16 de março, à domingo, 29 de abril
Terça à sexta, das 9h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Entrada franca

Mas a programação não termina por aí. De 29 de março a 1º de abril, a Ocupação Angeli exibe como programação paralela uma mostra com filmes de animação e sobre história em quadrinhos. Entre os destaques estão Dossiê Rê Bordosa, Angeli 24h e Malditos Cartunistas.

Confira, abaixo, a programação completa:

Quinta, 29 de março

18h
Dossiê Rê Bordosa, César Cabral, 16 min
A Cauda do Dinossauro, Francisco Garcia, 17 min
Angeli 24h, Beth Formaggini, 25 min
20h
Woody & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll, Otto Guerra, 81 min

Sexta, 30 de março
18h
Malditos Cartunistas, Daniel Garcia e Daniel Paiva, 93 min
20h
História em Quadrinhos, Álvaro de Moya e Rogério Sganzerla, 7 min
Rocky & Hudson, Otto Guerra, 56 min

Sábado, 31 de março
14h
Nave Mãe, Otto Guerra, 12 min
Cavaleiro Jorge, Otto Guerra, 14 min
Jaguar: um Homem ou um Rato, Paulinho Caruso e Pedro Caetano, 17 min
Cartas da Mãe, Fernando Kinas e Marina Willer, 28 min
16h
Brasil Animado, Mariana Caltabiano, 75 min
18h
Dossiê Rê Bordosa, César Cabal, 16 min
A Cauda do Dinossauro, Francisco Garcia, 17 min
Angeli 24h, Beth Formaggini, 25 min
20h
Woody & Stock: Sexo, Orégano e Rock ‘n´ Roll, Otto Guerra, 81 min

Domingo, 1 de abril
13h30
Brasil Animado, Mariana Caltabiano, 75 min
15h30
Malditos Cartunistas, Daniel Garcia e Daniel Paiva, 93 min
17h30
Nave Mãe, Otto Guerra, 12 min
Cavaleiro Jorge, Otto Guerra, 14 min
Jaguar: um Homem ou um Rato, Paulinho Caruso e Pedro Caetano, 17 min
Cartas da Mãe, Fernando Kinas e Marina Willer, 28 min
19h30
Will Eisner: Profissão Cartunista, Marisa Furtado e Paulo Serram, 150 min

Toda a programação tem entrada franca.

Itaú Cultural, Av. Paulista, 149, Paraíso (próximo à Estação Brigadeiro do Metrô).

Informações pelo fone (11) 2168-1777, pelas redes sociais do evento (Youtube, Twitter, Facebook) ou pelo e-mail atendimento@itaucultural.org.br.

16.3.12

Novo livro de Paulo Ramos compila textos do seu Blog dos Quadrinhos



O Blog dos Quadrinhos, um dos mais relevantes sobre o tema no Brasil, está prestes a completar 6 anos de existência, e para comemorar tantas contribuições à Nona Arte, a editora Devir irá publicar uma coletânea de matérias, resenhas, entrevistas e ensaios com lançamento programado entre o fim de abril e o começo de maio.

Revolução do gibi - A nova cara dos quadrinhos no Brasil, terá mais de 500 páginas divididas em 20 capítulos organizados em diferentes temas com o objetivo de explicar as raízes do atual momento do mercado brasileiro de quadrinhos. A ilustração da capa ficou a cargo do artista João Montanaro.

O blog é editado por Paulo Ramos, jornalista, professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo e membro do Observatório de Histórias em Quadrinhos da USP.

Ramos também é autor dos livros A leitura dos quadrinhos (Contexto, 2009), Bienvenido - Um passeio pelos quadrinhos argentinos (Zarabatana, 2010), Faces do humor - Uma aproximação entre piadas e tiras (Zarabatana, 2011) e coorganizador dos livros Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula (Contexto, 2004), Quadrinhos na educação (Contexto, 2009) e Muito além dos quadrinhos (Devir, 2009).

15.3.12

Exposição de quadrinhos com acervo de primeira



Uma excelente notícia promete agitar o mundo dos quadrinhos nos próximos meses.

A exposição Quadrinhos’51 foi criada no intuito de homenagear alguns dos mais importantes desenhistas de quadrinhos do Brasil, que produziram verdadeiras obras-primas entre as décadas de 1950 e 1970. A mostra também lembrará os 61 anos da realização da primeiro exibição didática sobre quadrinhos no mundo, a Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos, organizada em São Paulo por cinco amigos que buscavam elevar o conceito da Nona Arte nos anos 50s: Álvaro de Moya, Jayme Cortez, Syllas Roberg, Reinaldo de Oliveira e Miguel Penteado. O evento, de grande importância histórica e relevância internacional, foi registrado pela extinta e saudosa editora Opera Graphica no livro Anos 50 - 50 Anos.

A muito bem-vinda mostra Quadrinhos’51 apresentará originais de artes de grandes desenhistas que jamais foram expostas ao público anteriormente. O visitante poderá admirar obras de Álvaro de Moya, Jayme Cortez, Eugênio Colonnese, Julio Shimamoto, Antonino Homobono, Rodolfo Zalla, Primaggio, Lanzellotti, Flávio Colin, Rodval Matias, Saydemberg, Messias de Mello, Ignácio Justo, Getúlio  Delfin, Manoel Victor Filho, entre muitos outros.

Baseada no acervo de Álvaro de Moya e Jayme Cortez e incrementada com peças raras de outros colecionadores, a exposição também apresentará exemplares de O Tico-Tico, O Globo Juvenil, Biriba, além de revistas de terror clássicas e publicações estrangeiras, como as primeiras edições da Heavy Metal, Creepy, Eerie, AlterLinus, Metal Hurlant e muitas outras.

Da coleção de Moya e Cortez, estarão expostos desenhos autografados de alguns dos maiores nomes do traço mundial: E.T. Coelho, Joe Kubert , Osamu Tesuka, Mort Walker, Quino, Hugo Pratt, J. Blasco, Bob Brown, Esteban Maroto, Milton Caniff, Hergê, Dick Browne, Neal Adams, André Le Blanc, José Luiz Salinas, Will Eisner, Jerry Robinson, Jim Davis, Serpieri e do recentemente falecido Moebius.

A mostra Quadrinhos’51 acontecerá a partir do dia 21 de março no MuBA - Museu Belas Artes de São Paulo.
  • Abertura para convidados: 21 de março das 19h às 22h
  • Visitação: 22 de março a 26 de maio de 2012. Segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 10h as 16h (fechado aos domingos, feriados e excepcionalmente nos dias 7 e 30 de abril).
  • Local: MuBA - Museu Belas Artes de São Paulo - Rua Dr. Álvaro Alvim, 76, Vila Mariana, São Paulo/SP.

17.2.12

Mauricio de Souza e Osamu Tezuka juntos na Turma da Mônica Jovem


A nova edição da Turma da Mônica Jovem da Panini Comics, traz os personagens do quadrinista brasileiro Mauricio de Sousa combatendo as atividades ilegais dos madeireiros na floresta Amazônica em conjunto com personagens clássicos dos mangás, como Astro Boy, Kimba e Safiri (de A Princesa e o Cavaleiro), criações de Osamu Tezuka, considerado o pai do mangá no Japão.

A história é resultado de um grande encontro dos dois mestres do quadrinho. O projeto, idealizado no final da década de 1980 pelos autores, ficou guardado por 23 anos e agora  ganha as páginas de uma edição especial que já pode ser encontrada nas bancas de todo o país.

O tema central foi proposto pelo próprio Tezuka. Segundo o quadrinista brasileiro, a realização de um material que envolvesse uma das principais florestas tropicais do mundo foi um pedido especial.

Em formato mangá com ilustrações em P&B, Mônica, Magali, Cascão e Cebola vão enfrentar madeireiros e combater a biopirataria na Amazônia com a ajuda dos astros japoneses. Trata-se de um momento histórico para o quadrinho mundial.
  • Turma da Mônica Jovem 43 - Tesouro Verde, Parte 1
  • Revista mensal em estilo mangá, miolo P&B, capa colorida
  • 132 págs, formato 16,0 x 21,3 cm, R$7,50
  • Distribuição nacional com lançamento em 28/02/2011

Curso de História das Histórias em Quadrinhos no Sesc Pompéia

Comentamos anteontem aqui no blog sobre dois interessantes cursos que serão ministrados no Sesc Pompéia. Felizmente o centro cultural em questão vem surpreendendo e está realmente empenhado em criar uma excelente programação voltada à Nona Arte.

Mais um curso foi incluído na agenda, desta vez totalmente teórico: História das Histórias em Quadrinhos, ministrado pelo jornalista, professor da USP e teórico de quadrinhos Paulo Ramos, responsável pelo Blog dos Quadrinhos.

O curso terá 12 encontros e irá abordar a trajetória dos quadrinhos, partindo dos primeiros exemplos, no período anterior ao século XX, até as produções atuais. O percurso histórico irá apresentar e ilustrar a evolução dos gêneros e dos trabalhos em quadrinhos sob diferentes perspectivas: a norte-americana, a europeia, a japonesa, a argentina e, por fim, a brasileira.

  • Onde: Sesc Pompéia
  • Quando: 14/04 a 30/06
  • Horários: sábados, das 14h30 às 16h30
  • Inscrições: 28/2 para comerciários matriculados; 29/2 para demais usuários
  • Valores das mensalidades: R$60,00 (inteira), R$30,00 (sócios, dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante) e R$15,00 (comerciários associados e seus dependentes)

16.2.12

Oficinas de quadrinhos na rede de bibliotecas de São Paulo


Estão abertas as inscrições para as Oficinas de Histórias em Quadrinhos (módulos Básico e Avançado), Mangá e Caricatura, na rede de bibliotecas do Município de São Paulo.

O projeto intitulado Fanzines nas Zonas de Sampa está no sétimo ano de existência e busca levar ao público oficinas que desenvolvam e estimulem a criatividade para o desenho, escrita e leitura (personagem, história e roteiro).

As aulas acontecem em 11 unidades da Rede Municipal e tem diferenciação entre iniciantes e avançados. Ao final do curso, que terá 14 aulas ao todo, cada unidade irá produzir uma revista independente com o trabalho dos alunos. Além das Bibliotecas, o projeto também acontece no Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso.

Visite o blog do projeto e conheça os quadrinhos que já foram produzidos: http://hqzineszonas.blogspot.com/

A lista das bibliotecas onde serão ministradas as oficinas pode ser consultada no site www.bibliotecas.sp.gov.br. As inscrições podem ser feitas diretamente nas Bibliotecas até o dia 03 de março. Menores de idade necessitam da autorização do responsável.

Mais informações pelo telefone 3675-6727 ou pelo e-mail programasbibliotecas@prefeitura.sp.gov.br.


Clique na imagem para ampliá-la.

14.2.12

Cursos de quadrinhos no Sesc Pompéia


Sesc Pompéia

O Sesc Pompéia, tradicional centro de cultura e lazer em São Paulo, traz em sua programação de março dois excelentes cursos com grandes nomes dos quadrinhos nacionais.

O curso Quadrinhos de Autor - Introdução será ministrado por Lourenço Mutarelli com 16 encontros entre 15 de março e 06 de julho. As aulas vão trabalhar com o desenvolvimento de uma graphic novel, partindo do princípio da origem dos quadrinhos, além de enfocar noções de texto e roteirização, imagem e enquadramento. O curso ainda irá apresentar referências, influências e estilos e trabalhar técnicas de finalização gráfica. 
  • Onde: Sesc Pompéia
  • Quando: 15/03 a 06/07.
  • Horários: Turma da manhã: quintas, das 9h30 às 12h. Turma da noite: sextas, das 19h às 21h30.
  • Valores das mensalidades: R$60,00 (inteira), R$30,00 (sócios, dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante) e R$15,00 (comerciários associados e seus dependentes).

Já o curso Quadrinhos: Humor Gráfico terá orientação de Fernando Gonsales com 12 encontros entre 16 de março e 06 de julho. Serão abordadas as características de roteiro e desenho da narrativa gráfica curta com o intuito de gerar humor, crítica e reflexão. Além disso, será abordada, de modo teórico e prático, a ilustração de humor.
  • Onde: Sesc Pompéia
  • Quando: 16/03 a 06/07.
  • Horário: Sextas, das 19h às 21h30.
  • Valores das mensalidades: R$60,00 (inteira), R$30,00 (sócios, dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante) e R$15,00 (comerciários associados e seus dependentes).

10.2.12

Coletânea em quadrinhos com histórias de guerra

Está prevista para este ano de 2012 a publicação, pela editora Devir, de uma antologia de quadrinhos cujo mote principal é GUERRA.

Ao todo serão 12 histórias curtas de 10 páginas que abordam o tema de diversas maneiras, do medieval ao contemporâneo, das trincheiras aos bastidores, da ação ao drama.

Uma dessas histórias foi roteirizada pelo editor deste blog e desenhada pelo artista Rafael de Latorre.

Segue um pequeno preview da história que trata sobre o absurdo conflito étnico ocorrido em Ruanda em 1994, que ocasionou na morte de cerca de 800 mil pessoas.


9.2.12

Novidades da Editora Draco para o universo dos quadrinhos

A editora paulistana Draco, especializada em literatura fantástica, está ampliando a sua franquia de maior sucesso, a coleção Imaginários, que tem por objetivo reunir veteranos e revelar novos talentos do horror, fantasia e ficção científica. Agora a editora também terá um novo espaço para quadrinistas, roteiristas e ilustradores brasileiros, a coleção Imaginários em Quadrinhos.

Cada volume terá 128 páginas, com 6 histórias de 20 páginas, em formato de álbuns para livrarias, ou seja, a ideia não é a distribuição em bancas, mas nas grandes redes de livrarias ou casas especializadas.

Envie sua submissão para o e-mail editoradraco@gmail.com em PDF ou imagens em JPG (no mínimo 150 dpi para avaliação e 300 dpi caso seja aprovado) com o assunto IMAGINÁRIOS HQ.

No e-mail deve conter:

  • Sinopse e resumo da história (contando tudo o que acontece, não um texto que instigue a leitura);
  • O roteiro completo com exatas 20 páginas (nem mais, nem menos). Para as artes em preto e branco (ou uma cor, se preferir) poderão ser apresentadas apenas 3 páginas finalizadas acompanhadas de um link de portfólio atualizado do artista responsável.

A história deve ser do gênero fantasia, ficção científica ou terror. Também vale a mistura desses gêneros. O que importa é a imaginação, o principal quesito.

Não há estilo correto. Valem misturas que vão desde os traços étnicos que resgatam a cultura popular brasileira até desenhos que bebem em fontes longínquas. O formato dos álbuns será de 17 x 24 cm e a mancha de arte foi estipulada em 14 x 21 cm, ou seja, as margens são de 1,5 cm em todos os lados.

As histórias da coleção Imaginários em Quadrinhos serão voltadas ao público adulto, portanto nudez e violência são permitidos desde que façam parte do contexto e não sirvam simplesmente para chamar a atenção.

Poderão participar quadrinistas (roteiro + arte) ou duplas de criação (roteirista + desenhista). Neste caso os autores dividirão os direitos autorais.

O prazo para envio das histórias para o primeiro volume da coleção é dia 31 de março de 2012.

Mas as novidades relacionadas aos quadrinhos da editora não param por aí...

A Draco está organizando uma coletânea de contos cujo mote principal são os super-heróis. Com o título provisório Super-Heróis, a proposta é organizar uma antologia com histórias que abordam aventuras destes personagens de forma criativa, original e, preferencialmente, com tempero lusófono. Tanto faz se o herói é humano ou alienígena, se possui superpoderes ou não, se é um bom sujeito ou nem tanto. Tampouco importa se o autor contará a gênese do seu herói ou se ele cairá de paraquedas no meio de uma grande aventura. O importante é que o(s) protagonista(s) seja(m) psicologicamente bem delineado(s) e que suas aventuras (ou desventuras) constituam uma leitura instigante, divertida e bem construída.


Mas atenção a um alerta: a editora NÃO aceitará textos no estilo fanfiction. A ideia é incentivar os autores que pretendem participar deste projeto a criar seus próprios heróis ao invés de “tomar emprestado” personagens da Marvel, DC e congêneres. Para evitar riscos com direitos autorais e afins, todo trabalho desse gênero será rejeitado pronta e inapelavelmente sem apreciação do mérito literário.

Detalhes acerca do projeto:

  • Tamanho: Os textos deverão conter entre 3.000 e 12.000 palavras. Isto não significa que submissões fora deste intervalo serão sumariamente rejeitadas. Se o conto analisado possuir qualidade literária e se enquadrar na temática proposta, essa qualidade será considerada na apreciação, mesmo que o texto seja menor ou maior do que o limite proposto. No entanto, trabalhos dentro do intervalo referido serão apreciados com maior simpatia.
  • Filosofia de trabalho: Objetiva-se a publicação de trabalhos criativos e originais cujos enredos mostrem heróis ou super-heróis inseridos direta ou indiretamente na cultura brasileira e/ou portuguesa, mostrando o impacto social da existência e das proezas desses personagens e de seus superpoderes nessa cultura. Porém, não se trata de uma exigência estrita. Trabalhos que nada tenham a ver com o Brasil ou com Portugal serão apreciados com a atenção devida e poderão ser eventualmente aceitos. Porém, cumpre frisar a predileção por contos lusófonos de corpo (i.e, escritos por autores portugueses e brasileiros) e espírito (enredo, personagens, ambientação lusófonos).
  • Envio de contos: As submissões devem ser enviadas apenas em versão eletrônica, formato rich text file (.RTF), para os e-mails lfvasques@gmail.com e glodir@unisys.com.br, com cópia de segurança para ericksama@gmail.com. Será confirmada a recepção de todos os trabalhos recebidos.
  • Deadline: 31 de março de 2012.
  • Data de lançamento pretendida: Fantasticon 2012.

Eis aqui a oportunidade ímpar do autor lusófono de literatura fantástica criar seu próprio super-herói e imortalizá-lo nas páginas impressas da Super-Heróis.

7.2.12

Evento reúne fanzineiros e oferece muita cultura underground

Clique para ampliar

O Ugra Zine Fest é um evento dedicado ao universo dos fanzines e das publicações independentes. Com atividades variadas e participantes de diferentes áreas de atuação, oferece uma programação que alia reflexão, prática e confraternização.

A primeira edição do Ugra Zine Fest foi realizada em fevereiro de 2011, num momento de aparente marasmo para os zines, e teve uma resposta bastante positiva por parte do público. Também inspirou o surgimento de outras iniciativas que, somadas, estão trazendo nova vida ao meio fanzineiro.

O Ugra Zine Fest foi idealizado pela Ugra Press, um projeto de produção, fomentação e pesquisa de cultura radical e alternativa. Para sua segunda edição, que acontecerá nos dias 9 e 10 de março, passa a contar também com a colaboração de Flávio Grão e Márcio Sno, membros do blog Zinismo.

Confira a programação do evento mais do it yourself de São Paulo:

DIA 9 DE MARÇO, SEXTA-FEIRA, ÀS 21h
Local: Sattva Bordô - Praça Roosevelt, 82, Centro, São Paulo/SP
Quanto: R$10,00
Festa de lançamento do 2º Anuário de Fanzines, Zines e Publicações Alternativas.
Shows com Ajax Free, Noala e Hutt.

DIA 10 DE MARÇO, SÁBADO, ÀS 14h
Local: Casa do Fazer - Rua Humberto I, 201, Vila Mariana, São Paulo/SP
Quanto: colaboração espontânea. Oficinas: R$20,00 (Vagas limitadas. Inscrições antecipadas pelo e-mail ugra.press@gmail.com)
  • 14h: Oficina de Estêncil com Daniel Melim
  • 15h30: Oficina de Customização de Fanzines com Rodrigo Okuyama
  • 17h: Palestra com Nenê Altro (Gratuito. Vagas limitadas. Retire senha no local 20 minutos antes)
  • 17h: Início da mostra Doc.Zines (Gratuito. Vagas limitadas)
  • 17h50: Palestra com Law Tissot (Gratuito. Vagas limitadas. Retire senha no local 20 minutos antes)
  • 18h40: Palestra com Marcatti (Gratuito. Vagas limitadas. Retire senha no local 20 minutos antes)
  • 19h30: Debate "Quadrinhos Independentes: Opção ou Condição?", com Marcatti, Law Tissot e Thiago Spyked (Gratuito e aberto a todos os presentes)
  • 21h: Estréia dos documentários "Fanzineiros do Século Passado - Capítulo 2", de Márcio Sno, e "Ugra, the Karma", de Paulo Oliveira (Gratuito e aberto a todos os presentes)
  • Durante todo o dia: Exposição de zines, feira de publicações alternativas, comes e bebes (Gratuito e aberto a todos os presentes)

"Fanzineiros do Século Passado - Capítulo 1: As dificuldades para botar o bloco na rua e a rede social analógica":

3.2.12

Lista de laureados do Festival de Angoulême 2012



O Festival International de la Bande Dessinée d'Angoulême, a maior premiação europeia de histórias em quadrinhos, divulgou nesta semana o resultado de sua edição 2012, a 39ª já realizada.

O prêmio francês é realizado desde 1974 na pequena cidade de Angoulême e tem como finalidade eleger as melhores publicações do ano anterior.

Realizado sempre em janeiro, veja como ficou a lista completa dos laureados:

  • Grande Prêmio da cidade de Angoulême: Jean-Claude Denis;
  • Melhor álbum (Fauve d’Or): Chroniques de Jérusalem, de Guy Delisle;
  • Especial do júri: Frank et le congrès des bêtes, de Jim Woodring;
  • Série: Cité 14, de Romuald Reutimann e Pierre Gabus;
  • Revelação: T.M.L.P. - Ta mère la pute, de Gilles Rochier;
  • Olhares sobre o mundo: Une vie dans les marges, de Yoshihiro Tatsumi;
  • Ousadia: Teddy Beat, de Morgan Navarro;
  • Intergerações: Bride Stories, de Kaoru Mori;
  • Patrimônio: La Dynastie Donald Duck - Intégrale Carl Barks, de Carl Barks;
  • Fauve Polar (policial): Intrus à l’étrange, de Simon Hureau;
  • Menção especial Polar: La Faute aux Chinois, de François RavardAurélien Ducoudray;
  • BD Fnac: Portugal, de Cyril Pedrosa;
  • BD Virgin: Habibi, de Craig Thompson;
  • Infanto-juvenil: Zombillénium, de Arthur de Pins;
  • HQ alternativa: Kus, revista de quadrinhos da Letônia.










2.2.12

DC Comics anuncia séries complementares ao clássico Watchmen de Moore e Gibbons

A DC Comics anunciou ontem em seu blog oficial que irá publicar, no verão americano, o conjunto de minisséries Before Watchmen, que, como o nome já diz, irá contar histórias ocorridas antes da clássica série de Alan Moore e Dave Gibbons.

Before Watchmen inclui:

  • Rorschach (4 edições): roteiro de Brian Azzarello e arte de Lee Bermejo
  • Minutemen (6 edições): roteiro e arte de Darwyn Cooke
  • Comedian (6 edições): roteiro de Brian Azzarello e arte de J.G. Jones
  • Dr. Manhattan (4 edições): roteiro de J. Michael Straczynski e arte de Adam Hughes
  • Nite Owl (4 edições): roteiro de J. Michael Straczynski e arte de Andy e Joe Kubert
  • Ozymandias (6 edições): roteiro de Len Wein e arte de Jae Lee
  • Silk Spectre (4 edições): roteiro de Darwyn Cooke e arte de Amanda Conner




Será lançada uma edição por semana num total de 35 números e todas elas serão interligadas, trazendo, ao final, duas páginas que irão compor a história Curse of the Crimson Corsair, escrita pelo editor da graphic novel original, Len Wein e desenhada pelo colorista de Watchmen, John Higgins.

A conclusão de Crimson Corsair será publicada na edição especial Before Watchmen: Epilogue em conjunto com o fechamento de todo o projeto produzido em colaboração por vários escritores e artistas.

Os editores Dan Didio e Jim Lee justificaram a criação do projeto alegando que: "É nossa responsabilidade, enquanto editores, encontrar novas maneiras de manter todos os nossos personagens relevantes. Depois de 25 anos, Watchmen possui personagens clássicos e chegou a hora de novas histórias serem contadas. Procuramos os melhores escritores e artistas da indústria para construir um complexa mitologia a partir da série original."

Dave Gibbons, o desenhista da série de 86/87, aprovou o projeto: "A série original é a historia completa que Alan Moore e eu queríamos contar. No entanto, aprecio as razões da DC para essa iniciativa e o desejo dos escritores e artistas envolvidos em prestar essa homenagem nosso trabalho."

Porém, como era de se esperar, Alan Moore não ficou muito satisfeito com essa ideia toda, conforme declarou ao The New York Times: "Tendo a acreditar que este projeto é uma confirmação de que eles ainda estão dependentes de ideias que tive há 25 anos. Eu não quero dinheiro, o que eu quero é que isso não aconteça. Pelo que eu saiba, não houve sequências de Moby Dick."

1.2.12

Programa "Quadrinhos para Quadrados e Redondos"

Como a última postagem se tratava de ótimos e educativos vídeos sobre quadrinho, vou seguir o tema no post de hoje.

O pesquisador e colecionador de quadrinhos Kendi Sakamoto apresenta o programa Quadrinhos para Quadrados e Redondos, que vai ao ar toda terça-feira ao vivo às 9h pela ClicTV.

Kendi Sakamoto

Diversos temas relevantes já foram abordados nos programas e alguns autores e pesquisadores já foram entrevistados, como Sonia M. Bibe Luyten (Mangá - O poder dos quadrinhos japoneses, 3ª ed., Hedra, 2011), Álvaro de Moya (Shazam!, 3ª ed., Perspectiva, 1977; História da História em Quadrinhos, 2ª ed., Brasiliense, 1993), Primaggio Mantovi (ex-desenhista da Rio Gráfica e da Abril), Paulo Ramos (A Leitura dos Quadrinhos, Contexto, 2009; Bienvenido, Zarabatana, 2010; Faces do Humor, Zarabatana, 2011), Worney de Souza, Nobu Chinen (Linguagem HQ - Conceitos básicos, Criativo, 2011) e Waldomiro Vergueiro (Como Usar as Histórias em Quadrinhos em Sala de Aula, Contexto, 2004; Quadrinhos na Educação, Contexto, 2009; Muito Além dos Quadrinhos, Devir, 2009; A História em Quadrinhos no Brasil, Laços, 2011).

Não deixe de conferir.

Entrevista com a pesquisadora Sonia M. Bibe Luyten:

31.1.12

Série de 5 vídeos aborda diversos aspectos dos quadrinhos


Em minhas costumeiras fuçadas pela internet, acabei encontrando uma série de ótimos programas sobre quadrinhos produzidos pela TV Escola.

A série Salto para o futuro - História em quadrinhos: um recurso de aprendizagem foi lançada em abril de 2011 e contou com a consultoria da experiente pesquisadora Sonia M. Bibe Luyten (Mangá - O poder dos quadrinhos japoneses, 3ª ed., Hedra, 2011).

Ao todo são 5 vídeos com cerca de 50 minutos de duração cada que trazem um apanhado sobre a história dos quadrinhos, processos de criação, desenvolvimento do mercado, a relação entre quadrinhos e literatura, quadrinhos na web, mangás, possibilidades de uso na educação, entre outros assuntos relevantes comentados por autores, pesquisadores e leitores.

Além disso, há também um boletim em PDF disponível para download, com apresentação da série e mais 3 artigos: Origens das histórias em quadrinhos (José Alberto Lovetro - Jal), Quadrinhos além dos gibis (Jal) e Quadrinhos na sala de aula (Sonia M. Bibe Luyten).

Assista aos vídeos:

Programa 1 – Origem das histórias em quadrinhos:

29.1.12

Livro digital "História em Quadrinhos e Arquitetura" gratuito!

Um dos livros mais procurados do catálogo da editora Marca de Fantasia é História em Quadrinhos e Arquitetura, ensaio do pesquisador Edgar Franco. Há muito esgotado, o livro retorna em versão digital, enriquecido por imagens em cores e pela facilidade de visualização e navegação. Esta edição eletrônica é um presente do autor e da editora, pois está sendo distribuída gratuitamente em formato PDF; basta que se faça o pedido pelo e-mail da editora que o livro será enviado virtualmente.

Edgar Franco, arquiteto, quadrinhista, professor de Artes Visuais e pesquisador, deve enxergar os quadrinhos como o espaço dessas possibilidades por meio de seu universo mítico, poético, surreal e filosófico. Com o livro História em Quadrinhos e Arquitetura, Edgar nos mostra com maestria como a interseção dessas duas artes pode ser fecunda.

Num panorama que vai dos primórdios da linguagem ilustrada e sequencial aos quadrinhos contemporâneos, Edgar traça, com inúmeros exemplos, as diversas expressões de quadrinhistas que buscaram na arquitetura o elemento fundamental para a realização de suas narrativas. Por outro lado, nos aponta os arquitetos que ultrapassaram a fronteira do racionalismo para se fazer concretos no mundo dos sonhos.

História em Quadrinhos e Arquitetura
Edgar Franco
João Pessoa: Marca de Fantasia. 2012, 90p.
E-book em PDF. Gratuito, sob demanda.

25.1.12

O mercado editorial brasileiro: crescendo em 360°

O mercado editorial brasileiro vive momentos de mudanças. E, vale ressaltar, mudanças benéficas para o público e para as editoras, que deverão rever alguns conceitos para se adequar ao mercado e às novidades advindas com a aclamada Era da Informação.

O governo brasileiro vem tomando diversas medidas para o incentivo da leitura no país, como a isenção de impostos para livros ‒ que, em breve, também deve se estender aos e-books e e-readers ‒, o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) e o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Tais iniciativas estão agitando o mercado editorial, fazendo com que editoras de médio e pequeno porte passem a investir em livros didáticos e infanto-juvenis na tentativa de abocanhar uma fatia do grosso investimento voltado à distribuição de livros para as escolas públicas.

Houve um aumento no índice de leitura no Brasil na última década, que subiu de 1,8 para 4,7 livros lidos por habitante/ano. Isso tirou o Brasil da vergonhosa penúltima posição no índice de leitura per capita na América latina. Porém, a situação ainda está muito longe do ideal. Hoje estamos no 14º lugar, abaixo de países economicamente menores que o Brasil, caso do Paraguai, que registra índice de 8 livros por habitante/ano.

Há também o Programa do Livro Popular (PLP), que está em estágio avançado devido ao envolvimento pessoal da presidente Dilma Rousseff, que se predispôs a tomar a frente do programa em decorrência de sua dimensão e importância. A função do projeto é baratear os preços dos livros, tornando-os acessíveis a todas as classes sociais. Visando permanência a longo prazo, com investimentos e metas para até 2020, o governo pretende realizar parcerias para a obtenção de grandes tiragens, ampliação do número de pontos de venda e a realização de uma grande campanha de comunicação com os setores envolvidos e os consumidores, sempre tendo como foco livros a preços bastante acessíveis. Espera-se a criação de um catálogo com pelo menos 1.000 títulos oferecidos pelo valor de até R$10,00, com um número mínimo de 1.000 pontos de venda até 2012.

Com relação ao conteúdo dos livros, tudo depende do interesse do mercado. Todos os gêneros serão contemplados pelo programa, com exceção dos didáticos. Isso será uma ótima oportunidade para todo o setor, inclusive o de histórias em quadrinhos. Com a ampliação das tiragens, as editoras irão adequar diversos títulos de seus catálogos para que não ultrapassem o valor limite de R$10,00, já que é preferível vender grandes quantias a esse valor do que oferecê-los por cerca de R$50,00 e correr o risco de ter encalhes ou uma demora para o escoamento de toda a tiragem. Ou seja, podemos esperar muitos títulos de qualidade, já que a venda por parte das editoras é certa, já que o Governo irá se encarregar de comprar tiragens inteiras. E o melhor de tudo: a primeira etapa do programa, iniciada em outubro último, realizou o cadastramento das bibliotecas, dos pontos de venda e dos livros pelas editoras; e agora em 2012 serão iniciadas as compras integrais das edições cadastradas.

Outra medida que tem dado o que falar, principalmente no universo das histórias em quadrinhos, são os editais de fomento à produção cultural. Hoje existe um grande número de ferramentas governamentais que também são ligadas a iniciativas privadas que investem em projetos e talentos, como é o caso do Programa de Ação Cultural (ProAc), que visa “Apoiar e patrocinar a renovação, o intercâmbio, a divulgação e a produção artística e cultural no Estado”, conforme descrito no site do programa. O ProAc seleciona alguns projetos e os financia para serem publicados e distribuídos em parcerias com algumas editoras. Como a realidade no mercado de quadrinhos é bem diferente dos livros tradicionais, existem autores que tentam driblar essa situação fazendo bom uso do programa, sempre submetendo novos projetos e publicando suas obras ano após ano. Alguns títulos fizeram bastante sucesso entre público e crítica, como é o caso do premiado Bando de Dois (Zarabatana Books), de Danilo Beyruth.

Em razão desses incentivos concedidos ao mercado livreiro somado ao alardeado crescimento econômico nacional, muitas editoras estrangeiras estão aterrissando em nosso país, principalmente as europeias, já que a economia por lá não anda muito bem das pernas. É o caso das portuguesas Leya, Babel e Tinta-da-China, que correram pra cá em busca de investimentos certeiros que são extremamente facilitados em decorrência do idioma comum entre os dois países. Tivemos também a compra de 45% da Companhia das Letras, uma das maiores do Brasil, pela britânica Penguin Books, umas das maiores do mundo. A negociação tem como foco o mercado digital e paradidático pelas razões já explicitadas.

Em pesquisa realizada pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) em conjunto com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), constatou-se que o crescimento do setor editorial brasileiro em 2010 foi de 8,12%. Em decorrência disso, estão surgindo diversas novas livrarias, muitas das pequenas estão crescendo e as grandes redes vêm se expandindo, mostrando que as megastores não estão fadadas à extinção a exemplo da realidade estadunidense.

Além disso, os brasileiros estão lendo mais. A mesma pesquisa revelou que o número de exemplares vendidos cresceu 8,3% se consideradas apenas as vendas ao mercado e 13,12% se somadas as vendas ao governo e entidades sociais. E desde 2004 o preço dos livros vem apresentando quedas sem que houvesse queda na receita das editoras. Em 2010 o preço médio dos livros obteve redução de 4,42% e de 4,91% considerando somente as vendas ao mercado. Em se tratando de varejo, houve uma queda acumulada no preço médio real do exemplar de 34% desde 2004. Ótimo para o bolso dos leitores!

A pesquisa registra ainda que existem cerca de 750 editoras ativas no Brasil, sendo que apenas 498 delas se enquadram no critério internacional estabelecido pela Unesco para caracterização de uma editora, que diz que uma empresa deve editar ao menos cinco títulos por ano com produção mínima de 5.000 exemplares/ano.

Dentre os títulos publicados, os de caráter didático lideram o mercado, com 45,72% do volume total de vendas, seguido pelos 10,3% dos livros religiosos. Em seguida estão os livros de literatura, cujos números são os seguintes: juvenil com 8,89%, adulta com 8,05% e infantil com 5,38%, totalizando 22,32% de participação de vendas de livros de ficção.

Há também os supracitados e-books, que virão com tudo agora em 2012. No ano passado, diversas editoras anunciaram aumentos astronômicos na venda de livros digitais, chegando a cifras que ultrapassaram 1000%! Além disso, a evolução dos e-readers e tablets segue de vento em popa, como é de praxe na maioria dos setores tecnológicos atualmente. Com isso, os preços também vêm caindo e, dentro em pouco, teremos leitores digitais a preços acessíveis à maioria dos consumidores. Quem não investir no digital certamente vai ficar pra trás, e as editoras estão correndo para se adaptar a esta nova realidade.

Com o mercado aquecido, os autores iniciantes estão botando as mãos na massa para publicar seus materiais, com a oferta econômica das autopublicações ou as publicações sob demanda, que estão sendo oferecidas por um número cada vez maior de editoras, geralmente de pequeno porte. Há também a constante emergência dos blogs, que são a forma mais barata e rápida dos escritores disponibilizarem suas produções ao público. A relevância dos blogs é tamanha que editoras passaram a garimpar material de qualidade para publicar, além de oferecer parcerias com os blogueiros para divulgar lançamentos e novidades. E entre tantos blogs vem surgindo novas formas de composição literária com crescente convergência de mídias, unindo texto à música, imagens, histórias em quadrinhos, interatividade... Enfim, o céu é o limite nesta Era Digital, que oferece experiências literárias para todos os gostos e gerações.

O aumento exponencial de público em eventos especializados como as Bienais do Livro, a Festa do Livro da USP, a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), A Fliporto, a Feira do Livro de Porto Alegre, entre outros, e o crescente número de publicações relacionadas, também são indicadores de que o Brasil realmente pretende incentivar a leitura e a produção de livros no país. Seja por questões econômicas ou culturais, o povo ‒ ou o consumidor, como queira ‒ há de receber algum benefício, e isso é louvável, já que o crescimento se dá por todos os lados, em 360 graus.

17.1.12

I Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial


Eventos acadêmicos ligados aos quadrinhos já não são mais tão incomuns como em outrora. Isso denota uma grande evolução para a Nona Arte em terras brasileiras, já que passam a ser tema de interesse em diferentes áreas científicas, incentivando e capacitando pesquisadores a analisá-los de maneira mais consistente, contribuindo para o seu desenvolvimento enquanto manifestação artística e auxiliando imensamente para o autoconhecimento das histórias em quadrinhos.

O I Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial, que será realizado na cidade de Leopoldina-MG no dia 31 de março, se propõe a ser espaço aberto para trocas e discussão sobre pesquisas envolvendo a arte sequencial e a analisar tendências e possibilidades de interface entre pesquisadores de todo o Brasil.

O evento será realizado na Academia Leopoldinense de Letras e Artes - ALLA e o público pode participar com apresentação de trabalhos orais (R$30,00) e como ouvinte (R$20,00). As inscrições podem ser realizadas no site do evento a partir de 15 de janeiro. Para maiores informações, clique aqui.

Os grupos de trabalho serão divididos nas seguintes categorias:

  • GT1: Narrativas sequenciais na História, Ciências Sociais e Humanidades - Coordenação: Thiago Bernardo (doutorando)/Jefferson Lima (mestrando)
  • GT2: Cultura, política e ideologias nos quadrinhos - Coordenação: Iuri Andréas Reblin (doutorando)
  • GT3: Arte sequencial e Cultura Pop - Coordenação: Nobuyhoshi  Chinen (doutorando)
  • GT4: Fanzines e HQ: abordagens, criatividade e educação - Coordenação: Dr. Gazy Andraus
  • GT5: Gênero, Quadrinhos, Animação e Cinema: Representações Sociais, Apropriações e Releituras do Feminino e do Masculino - Coordenação: Dra. Valéria Fernandes e Prof. Natania Nogueira
  • GT6: Representações de etnicidade na Arte sequencial - Coordenação: Dr. Amaro Braga


Confira a programação do evento:

  • 07h30 às 08h30 - Credenciamento e recepção dos participantes
  • 08h30 às 09h30 - Palestra de abertura: Waldomiro Vergueiro (ECA-USP)
  • 09h30 às 11h30 - GTs: Grupos de trabalhos simultâneos - 1ª sessão
  • 11h30 às 13h00 - Horário de almoço
  • 13h00 às 16h00 - GTs: 2ª sessão
  • 16h00 às 16h30 - Coffee break
  • 16h30 às 18h00 - GTs: 3ª sessão
  • 18h00 às 19h00 - Palestra de encerramento
  • 20h00 - Lançamentos/venda de livros

29.8.11

Entrevista com Waldomiro Vergueiro


Waldomiro Vergueiro é umas das sumidades em quadrinhos no Brasil. É doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, onde atua como professor titular e exerce a chefia do Departamento de Biblioteconomia e Documentação. Também é fundador e coordenador do Observatório de Histórias em Quadrinhos

Também foi organizador e co-autor dos livros Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula (Contexto, 2004), Muito além dos quadrinhos (Devir, 2009) e Quadrinhos na educação (Contexto, 2009).


Nesta entrevista, o professor Waldomiro fala sobre seus livros, estudos acadêmicos, perspectivas e demais assuntos envolvendo os quadrinhos.

1) Conte-nos um pouco sobre o Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP. Quais são as atividades desenvolvidas, os envolvidos na coordenação, projetos, quem pode participar e como proceder...

O Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP surgiu em 1990, da união dos três professores aqui na ECA que trabalhavam com histórias em quadrinhos. O grupo era constituido, além de mim, também pelos professores Alvaro de Moya e Antonio Luiz Cagnin. Inicialmente, o Observatório se chamou Núcleo de Pesquisas de Histórias em Quadrinhos, denominação que manteve até poucos anos atrás, quando precisou adotar outra nomenclatura, devido a exigências burocráticas da ECA. Desde o início, tivemos por objetivo ser um centro de pesquisa e discussão sobre histórias em quadrinhos e temas correlatos, desenvolvendo projetos e elaborando publicações na área. Atualmente, depois da aposentadoria dos outros dois colegas, fiquei apenas eu como professor da ECA no Observatório, mas felizmente, com o tempo, tivemos a adesão de vários outros professores de outras faculdades e universidades. Divido a coordenação do Observatório com o prof. Roberto Elísio dos Santos, da Universidade de São Caetano do Sul. Além dele, participam também os professores Paulo Ramos (UNIFESP), Selma Meireles (FFLCH-USP), Gazy Andraus e Elydio dos Santos Neto (atualmente na UFPb), além da profa. Patrícia Borges, atualmente realizando pesquisa de pós-doutoramento sob minha supervisão. Temos também vários alunos de mestrado e doutorado, que eu oriento. A participação no Observatório é livre para todos os interessados, especialmente nos colóquios científicos mensais, realizados sempre na primeira sexta-feira de cada mês.

2) O senhor tem visto muitas pesquisas acadêmicas relevantes nos últimos anos? Poderia comentar algumas?

Tenho me dedicado bastante à questão dos quadrinhos na educação, que já foi tema de dois livros que organizei. E também tenho trabalhado no resgate da histórias dos quadrinhos brasileiros, sobre os quais já escrevi vários artigos, um livro que publiquei na Argentina e organizei um livro que será publicado ainda este ano.

3) Algumas dessas pesquisas poderiam integrar um novo projeto semelhante ao livro Muito Além dos Quadrinhos (Devir, 2009), co-organizado pelo senhor, obra que reúne artigos acadêmicos de diversos temas relacionados aos quadrinhos? Há algum plano nesse sentido?

Devo publicar ainda este ano um livro que reune vários textos sobre quadrinhos brasileiros. Trata-se de um livro organizado já há alguns anos, que ficou preso a uma editora para publicação, mas que não o publicou, e agora está sendo finalizado por outra editora. Também tenho um livro sobre a revista Gibi, feito com os Roberto Elísio, Paulo Ramos e Nobuyoshi Chinen, que provavelmente será publicado em 2012. E participo também da organização de um livro sobre Quadrinhos e literatura, que também deverá ser finalizado no ano que vem.

4) O Observatório é responsável pela organização das I Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, que vão acontecer no mês de agosto. Como está o andamento para o congresso e quais são as expectativas?

As expectativas para as I Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos são muito boas. Temos 190 trabalhos aprovados para apresentação, sob os mais variados temas, e com alto nível de qualidade científica. Será o maior evento científico, exclusivo sobre histórias em quadrinhos, já realizado no país.

5) Qual a sua opinião sobre a postura do governo em adotar adaptações literárias para quadrinhos nas escolas públicas como incentivo à leitura de livros clássicos? Os quadrinhos devem ser encarados como mera ponte para a literatura — essa, sim, arte tida como séria e consagrada?

Eu acho válida a adaptação de obras literárias para os quadrinhos, pois ela possibilita uma nova forma de acesso a uma produção importante. Mas não é absolutamente uma ponta para a leitura da obra literária, embora eu também ache que a leitura da adaptação não substitui a leitura do original. Os quadrinhos representam uma linguagem muito rica, que acrescenta elementos próprios à adaptação da obra literária e por isso oferece uma experiência de fruição da obra que é número diferente da obra literária. Eu não diria que é melhor (pois isso pode depender da qualidade da adaptação), mas em geral é mais rica. Se a leitura da obra em quadrinhos levar à leitura da obra literária, ótimo. Se não levar, tudo bem.

6) O senhor é co-autor de dois excelentes livros sobre a utilização das histórias em quadrinhos como material pedagógico em salas de aula, Como Usar as Histórias em Quadrinhos na Sala de Aula (Contexto, 2004) e Quadrinhos na Educação (Contexto, 2009). Como tem sido a receptividade dos educadores a esse material? O senhor sente que os quadrinhos têm recebido mais espaço nas escolas com objetivos mais amplos do que apenas servir de incentivo para a literatura?

A aceitação dos quadrinhos em ambiente escolar tem crescido ano a ano. Cada vez mais eu me encontro com professores que querem utilizar os quadrinhos e buscam formas de faze-lo ou que já utilizaram os quadrinhos e querem melhorar/aprimorar essa utilização. E muitos deles vão além do incentivo à literatura, mas se preocupam em ampliar as opções de leitura de seus alunos, entendendo os quadrinhos tanto como uma opção válida de lazer como uma fonte de informações sobre o mundo, a vida, o cotidiano de seus alunos. Confesso que isso me entusiasma e me faz imaginar tempos melhores para os quadrinhos na educação.

7) Em países como Japão, EUA, França e Bélgica, os quadrinhos detêm um nível de atenção e valoração muito mais elevado do que em nosso país, inclusive com cursos de graduação voltados à área. O que precisaria ser feito para chegarmos a esse patamar? Existem projetos no círculo acadêmico para maior inserção dos quadrinhos nas grades curriculares de determinados cursos ou algo que mereça ser comentado?

Acho que ideias para maior reconhecimento dos quadrinhos no âmbito acadêmico - inclusive com a proposição de cursos formais - estão amadurecendo e acredito que elas virão à tona no momento apropriado. Há um evidente crescimento do interesse acadêmico pelos quadrinhos, seja como objeto de pesquisa em cursos de pós-graduação, seja como trabalhos apresentados em eventos das mais variadas áreas científicas. Acredito que esse interesse vai acabar levando à proposição de disciplinas formais em cursos de graduação e, posteriormente, em espaços próprios nos cursos de pós-graduação.

8) O grande aumento de títulos de quadrinhos nas prateleiras da livrarias é uma realidade que tende a perdurar ou o senhor considera que isso é passageiro? Isso reflete um possível amadurecimento do mercado de quadrinhos no Brasil, com uma enxurrada de títulos voltados a um público mais maduro e com maior poder aquisitivo? Quais são as consequências dessas novas tendências?

Houve um evidente amadurecimento dos quadrinhos nos últimos anos. O Brasil, nesse sentido, segue a tendência mundial. Acredito que o futuro dos quadrinhos é a diversificação de mercados, de gêneros e de público.

9) Existem planos para novos livros teóricos de sua autoria?

Estou sempre pensando em novas publicações. Além das que mencionei na pergunta 3, estou trabalhando em um livro sobre como trabalhos com histórias em quadrinhos nas bibliotecas e penso, futuramente, em organizar meus artigos (principalmente os que publiquei na Internet) em uma publicação.